PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 20ª SUBSEÇÃO DE JUARA

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Maio de 2019 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 #

Artigo | mais artigos

O papel do advogado negociador

Data: 05/50/2019 15:50

Autor: Débora Pinho*


    imgGanhou força nos últimos meses as discussões sobre o papel do advogado moderno na sociedade. O ministro Barroso, do Supremo Tribunal Federal, tem uma frase interessante sobre o papel dos advogados. Ele disse, em uma ocasião, que o advogado do futuro não é aquele que propõe um bom processo e sim aquele que evita isso.

    Especialistas defendem que o advogado moderno deve ser um bom negociador para fazer acordos. Hoje grandes escritórios têm advogados treinados para atuar em negociações e muitos criaram núcleos de acordos para solucionar de forma rápida e eficiente conflitos. Investir em negociação não significa abandonar as tradicionais  batalhas judiciais, mas  oferecer uma opção a mais para seus clientes na hora de resolver conflitos. Com treinamento e técnicas adequadas o advogado negociador consegue tirar do Poder Judiciário casos que não precisariam estar ali. Tudo vai depender do caso concreto em jogo.

    O advogado negociador usa técnicas para resolver questões simples ou complexas nas mais diversas áreas. O objetivo é buscar um resultado eficiente para o cliente. E também resolver o assunto mais rapidamente. No Judiciário, como sabemos, os processos duram anos. O advogado negociador passa a ser um solucionador de problemas a curto prazo. Para tanto, é preciso desenvolver habilidades e técnicas próprias da negociação. Nos Estados Unidos, a técnica já é bastante utilizada por advogados. No Brasil, universidades renomadas já possuem centros de negociação e a maioria das faculdades de direito oferecem a disciplina na grade curricular para preparar os futuros profissionais para essa nova realidade.

    Com uma adequada gestão de riscos, identificação dos interesses e necessidades colocadas na mesa é possível encontrar soluções criativas durante as negociações. Afinal, quem não quer solucionar um conflito o mais breve possível de forma eficiente?

*Débora Pinho é advogada, especialista em Comunicação Empresarial e membro da Comissão Especial de Conciliação, Mediação e Arbitragem da OAB-MT